Tudo que você precisa ler sobre consumir conteúdo

Tenho a oportunidade de ir à praia, de fato, somente nos últimos 10 dos 30 e tantos anos que acumulei até agora. Surfar? Só na internet.

E consumir conteúdo sempre foi um pensamento prioritário, mesmo no auge de passar o dia com uma janela aberta do messenger, outra do orkut, hoje whatsapp e  alguma mídia social.

Para consumir conteúdo, você tem a escolha de:

🔄 Tornar seu tempo mais rico;
🔄 Desapegar da imagem falsa que as mídias sociais acabam construindo;
🔄 Aprendendo aquela habilidade que você sonha em ter ou manter;
🔄 Investir num outro empreendimento que fica na sua cabeça [isso, aquela ideia de negócio ou de serviço a mais no trabalho].

Vem comigo por o pé na água e perceber como tornar o tantão de informação que está ao seu redor, mais útil.

Profundo como um pires ou raso como a percepção do oceano, qual tipo de conteúdo realmente te pega?

A forma como nos viciamos em tecnologia ao tornar o smartphone uma extensão da mão [e da cabeça] faz com que pessoas autodenominadas especialistas vivam de aproveitar esse vício, esfregando na sua cara uma dopamina pobre, que são os conteúdos pires.

Cheios de “o que fazer” e “x dicas”, mas nada de como faz, pra que faz, se realmente faz sentido fazer. Muito “você precisa” e pouco “reflita”.

Já o conteúdo “cara de oceano”, é tipo um retrato: você olha e pensa “ah, tá lá o mar”.

Mas quando lê, se vê imerso. E imerso, sai com um conteúdo impregnado, pra vida ou para um problema que precisa resolver no curto prazo.

Falando em refletir: na hora de dar um passo a mais para qualquer objetivo da vida, será que você não anda gastando um tempão lambendo pires, ao invés de botar o pezinho no oceano pra navegar rumo ao azul de uma diferenciação que te faça atingir seus sonhos, ou até mesmo para melhorar sua posição de mercado, seja dentro de onde trabalha, seja com a sua marca pessoal?

 

Como consumir conteúdo melhor? Filtre.

Reclamar que [sua rede social predileta] tá chata, os assuntos são chatos no whatsapp/telegram, as pessoas postam as mesmas coisas é o mesmo que se olhar no espelho e ficar: “nossa, você pisca. Podia parar de piscar né? Pô, para de piscar aí!”…

Em outras palavras, algo pelo qual só você é responsável e se não fizer nada, nada muda.

Como que filtra?

Todas as redes possuem [um ou os] 3 recursos:

🔄 Escolher se quer ver as postagens mais recentes ou as mais populares;
🔄 Deixar de seguir as pessoas e marcas que aparecem demais na sua timeline. É uma forma de manter a conexão, mas remover a encheção;
🔄 Bloquear / desfazer a conexão: se definitivamente é um tema que te incomoda, você não é [email protected] Zero necessidade de manter o que não te faz bem.

É assim que você consegue mudar seu filtro e não ficar entre milhares de pessoas no insta ou no fb e agora estão no meio da bolha do mimimi coletivo… fazendo mimimi.

Troque os portais por newsletters no e-mail, assim você escolhe de fato o que ver;

Para internet em geral, cola lá no http://feedly.com, que também junta só os sites prediletos, e pra maioria dos conteúdos, sem propaganda.

 

O controle sempre é, foi e será seu. Tá na tua mão viver de lamber pires ou mergulhar fundo no que vai te fazer bem pessoal ou profissionalmente 🙂

 

Outra forma de ter espaço (mental e de tempo) para mergulhar em conteúdos mais relevantes é entrar pra seita.

aSeita [#sic] que você NÃO PRECISA.

Não precisa olhar os apps de mensagem toda hora.

Não precisa de todas as notificações do teu celular acendendo a tela.

Nem de e-mail aberto o tempo inteiro.

Tem um botão nas configurações do seu celular que provavelmente se chama “silencioso”.

Bota o bichinho numa posição onde você veja quando / se estão ligando pra você, e deu.

Testa, ao menos por um dia…

Os locais pra onde você foge da rotina são justamente os que mais te sugam a energia para mudá-la… Escrevo com a propriedade de quem teve um burnout porque não desligava.

É assim que você deixa de se encher, e esvazia a cabeça para completar seus dias com o que vai te deixar 1% melhor, 1 dia por vez.

 

Tá, pra quê mais tempo e mais espaço? O que dá pra fazer?

No aspecto profissional, pequeno surfista, é pensar na imagem que você constrói todo santo dia, com suas posturas, mensagens e publicações.

O que você realmente tá plantando e o que espera colher.

Se a construção da sua marca pessoal tá no modo “deixa o emprego me levar” ou se é um trabalho estruturado [espero que você saiba que emprego e trabalho são coisas completamente diferentes].

Para um negócio, se você tá mais pra Thanos poderoso ou Capitão América bad vibes.

🕐 E entender se o que você consome te ajuda a ser uma pessoa melhor, profissional melhor,
🕐 Ou só gasta o teu tempo, te ajudando a ser especialista em reclamar do mais do mesmo;
🕐 Seguir sendo um doente disfarçado de legalzão, só pra não desenturmar na bolha do “aff” desta sociedade do cansaço.

Se a alegria de sexta e a deprê por segunda cedo podem ser menos o clichê de quem joga o jogo da vida sem pensar se as regras servem pra você.

E mais a ideia de “quais regras eu vou aprender, pra quebrar, me destacar, e conseguir tudo que realmente quero pessoal e profissionalmente?”

A vida é curtinha pra gastar com conteúdo que não te traz nada… e navegar num mar desconhecido, sentado no barco dos outros.

Tome caldos, sente na beira da praia, e respire fundo… O que você consome é o que te molda.

E, dependendo do seu ambiente, a realidade tende a ser mais interessante do que o que um pedaço de vidro, lítio, metal e plástico tem pra te oferecer.

Bônus: 03 textos para entender mais sobre conteúdos:

Gostou? Me deixe saber comentando ou mandando um oi aqui!